0BAD9DF9483D19220F76EE7B724015457ABB_previdencia
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Dia da Previdência Social: de Eloy Chaves à Reforma Previdenciária

Comemora-se hoje, 24, o dia da Previdência Social. A efeméride marca a sanção do decreto4.682/23, conhecido como lei Eloy Chaves, que instituiu a Caixa de Aposentadorias e Pensões para empregados de empresas ferroviárias, em 1923.

Considerado pioneiro, o decreto estreou caminhos para o desenvolvimento do sistema previdenciário brasileiro.

Eloy Chaves

t

O decreto de autoria do ex-deputado federal Eloy Miranda Chaves, sob o governo de Arthur Bernardes, determinou a fundação de Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAP) para trabalhadores de empresas ferroviárias e posteriormente foi estendido a outras categorias, como portuários, telégrafos e mineradores.

A gestão do sistema CAP era administrada e financiada por um colegiado composto por empregadores e empregados.

A sanção do texto foi recebida com entusiasmo pela imprensa. No jornal O Brasil, de 1923, a norma foi assim noticiada:

A aprovação final dessa importante medida, que já agora é uma lei do país, interessa diretamente a todas as classes trabalhadoras do Brasil, a qual vem abrir novos e amplos horizontes, travando-lhes um programa preciso de reedificações. […] O dia 24 de janeiro último, data da sanção da lei Eloy Chaves, marca, portanto, o início de uma nova fase na solução da questão social entre nós, vindo estabelecer para nossas classes trabalhadoras um programa prático de reedificações positivas.

t


(Jornal O Brasil 1923)

Em 1930, quando Getúlio Vargas assumiu a presidência da República, um decreto foi sancionado para suspender as aposentadorias pelo sistema CAP, dando início a uma reestruturação que originou os Institutos de Aposentados e Pensões (IAP), cuja filiação se dava por categoria de trabalho.

Anos mais tarde, em 1966, os Institutos foram unificados através do decreto-lei 72/66 que instituiu o Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) e, vinte e quatro anos depois, criou-se o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

O sistema Previdenciário como conhecemos hoje teve início a partir da promulgação da CF/88, quando ficou estabelecido um conjunto de articulações visando a seguridade social, as quais envolvem saúde, assistência e Previdência Social. Os aspectos de arrecadação entre empregadores e empregados foram mantidos, e a organização e distribuição dos recursos ficaram sob responsabilidade do Estado.

Cenário atual

Para o advogado e professor de Direito Previdenciário, Fábio Zambitte Ibrahim, o atual modelo utilizado pelo sistema Previdenciário é gravemente desequilibrado, tendo em vista o gasto elevado para uma população ainda relativamente jovem, sendo inegável a inviabilidade do sistema para o futuro.

Segundo o advogado, o governo Federal, em certa medida, “caiu numa armadilha criada por ele mesmo: ao prestigiar o incremento de contribuições sociais, em detrimento dos impostos – e com isso, deixar de efetuar repasses obrigatórios a Estados e Municípios – gerou a falsa impressão que há recursos ainda suficientes para a manutenção da seguridade social, aí incluída a previdência social”. 

Diante deste cenário, para Fábio Zambitte Ibrahim, é necessário, além de uma reforma administrativa, envolvendo o INSS, a aprovação de uma reforma que alcance dois objetivos fundamentais: a preservação da viabilidade atuarial do sistema e a adoção de regras equânimes e eficazes de proteção social.

Desde que foi eleito, o presidente Jair Bolsonaro aponta a urgência para uma reforma na Previdência. A sinalização do governo, em entrevistas recentes, é de que propostas serão apresentadas ainda no mês de janeiro.

Para o advogado Fábio Zambitte Ibrahim, além do aspecto desfavorável no contexto atuarial, há também a grave fase pela qual passa o INSS, impulsionada pela extinção do ministério da Previdência Social, gerando um desarranjo na proteção social uma vez que a autarquia perdeu parte da sua autonomia. Neste sentido, para o advogado, a prioridade para o futuro governo deveria ser a organização administrativa, para assim, pensar numa reforma na Previdência.

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados