facespguedes
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Reforma da Previdência sai em 90 dias, diz Guedes, em evento da Facesp

O ministro da Economia fez palestra em cerimônia de posse de Alfredo Cotait Neto no comando da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

O ministro da Economia Paulo Guedes disse estar convicto de que a reforma da Previdência será aprovada no máximo em 90 dias. Segundo afirmou, longe do burburinho diário que sinalizaria para a falta de apoio político à reforma, nos corredores do Congresso já haveria entendimento sobre a importância das mudanças no sistema previdenciário.

“O que sinto no Congresso é que existe colaboração, que a classe política está sensível ao nosso projeto. Sabem que, aprovada a Previdência, entraremos em um rumo positivo na economia”, disse o ministro, que participou, nesta quinta-feira 23/05, da cerimônia de posse do empresário Alfredo Cotait Neto à frente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), juntamente com a diretoria e vices regionais, no clube Monte Líbano, em São Paulo.

FACESP REUNIU 1.7 MIL CONVIDADOS NO MONTE LÍBANO

Segundo Guedes, existe sintonia entre o legislativo e o governo federal. O ministrou considerou positivo o fato de deputados darem encaminhamento a reformas paralelas às do governo, para a Previdência e o sistema tributário. “Não vejo como provocação, porque teve conversa com o governo. Essa competição é saudável e, no final, as propostas irão convergir.”

Tanto a reforma da Previdência como a tributária foram apontadas pelo novo presidente da Facesp como prioridades para a transição do país de um modelo de dependência do Estado para uma economia liberal – mudança de paradigma que coloca o setor privado como principal agente do desenvolvimento.

Para Cotait, a reforma da Previdência representa importante sinalização do empenho na busca do equilíbrio fiscal, o que devolverá a credibilidade necessária para que os investimentos externos, hoje em compasso de espera, retornem ao Brasil.

Quanto à reforma tributária, disse ser necessária para promover uma necessária simplificação dos impostos para reduzir a burocracia que onera as empresas. “Em complemento, defendemos a desoneração da folha de pagamentos para aumentar a competitividade, reduzir a informalidade com a geração de emprego”, disse o empresário.

“Nosso poder de mobilização é a nossa força”, disse Cotait ao se dirigir a Guedes, acrescentando que as 400 associações comerciais do Estado de São Paulo somam mais de 280 mil voluntários prontos para ajudá-lo e apoiá-lo, ocupando as galerias, visitando os parlamentares em seus gabinetes, e de forma ordeira e organizada contribuir para a aprovação das reformas.

COTAIT EXIBE TERMO DE POSSE AO LADO DE GUEDES, BURTI, DORIA E COVAS(da dir.para esq.)

Em seu discurso de posse, Cotait, que sucede a Alencar Burti na presidência da Facesp, enfatizou também que o impacto do processo recessivo ainda se faz sentir, especialmente sobre as micro e pequenas empresas, atingidas pela queda das vendas, a burocracia, as dificuldades na obtenção de crédito e pelas altas taxas de juros, que superam em muito a rentabilidade de qualquer negócio.

“O Brasil tem pressa”, afirmou o presidente da Facesp. “Os milhões de desempregados, os desalentados, os jovens que buscam o primeiro emprego têm pressa. “É preciso reduzir a incerteza que paralisa a economia. As reformas são necessárias, mas também urgentes”.

Cotait pontuou igualmente avanços recentes, representados pela reforma trabalhista, a Medida Provisória da Liberdade Econômica, a aprovação do Cadastro Positivo e da Empresa Simples de Crédito.

O ministro da Economia disse que o Brasil se encontra em um grande “buraco fiscal”, sendo que os prefeitos e governadores e até ministérios estão na beira desse buraco, prestes a cair. “Com a Previdência, que permitirá economia de R$ 1 trilhão, teremos mais 10, 20 anos de estabilidade fiscal”, afirmou.

Na esteira da Previdência, o ministro falou da necessidade de um pacto federativo que descentralize a arrecadação e ajude a salvar as finanças de estados e municípios. “Hoje 75% dos recursos vão para a União, nós queremos inverter isso. O governo federal não é um bom curados desses recursos”, disse.

Segundo ele, uma das propostas é direcionar 70% dos recursos do Pré-Sal para os estados.

O ministro voltou a defender as privatizações, por meio das quais se conseguiria também chegar ao que vem chamando de “choque de energia barata”.

Guedes Propõe a quebra dos monopólios estatais na exploração e distribuição do gás natural. “Vamos abrir isso para investimentos privados. Em 2 a 3 anos o gás vai chegar pela metade do preço para a baixa renda”, disse.

O ministro buscou tranquilizar os cerca de 1,7 mil empresários presentes ao evento informando que pretende abrir o país aos investimentos estrangeiros de maneira gradual.

“Vamos abrir o mercado aos poucos, depois das simplificações, porque hoje não tem como o empresário brasileiro competir com um chinês pois está com uma bola de ferro de impostos e juros amarrada ao pé”, disse o ministro.

Presente ao evento, o governador paulista João Doria (PSDB) defendeu seu projeto de criar polos de desenvolvimento regional, dando incentivos a setores industriais. Segundo ele, essa política está alinhada a tocada pelo governo federal.

O governador também criticou as manifestações convocadas para o próximo domingo, dia 26, em defesa do governo Bolsonaro. Seguindo Doria, elas são desnecessárias. “É uma perda de tempo estabelecer confronto. O país precisa de entendimento. É uma inutilidade completa. Vamos usar os esforços para defender a reforma da previdência”, disse o governador.

Fonte: Diário do Comércio


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados