Jerônimo Goergen (1)
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Aprovada a MP da Liberdade Econômica

O relator Jerônimo Goergen (na foto) manteve pontos acrescentados por ele que foram alvo de críticas de entidades da Justiça trabalhista, como a permissão de trabalho aos domingos.

A Medida Provisória da Liberdade Econômica, que reduz burocracias para empresários, foi aprovada nesta quinta-feira (11/07), na Comissão Especial criada para discutir a proposta.

O relator do texto, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), manteve pontos acrescentados por ele que foram alvo de críticas de entidades da Justiça trabalhista, como a permissão de trabalho aos domingos e a proteção da legislação trabalhista apenas para trabalhadores que ganhem até 30 salários mínimos.

O texto aprovado mantém a espinha dorsal da medida enviada pelo governo, com pontos como o fim de todo o tipo de licença e alvará para atividades de baixo risco e a criação de prazo para a concessão desses documentos para outras atividades.

Também haverá redução de burocracia para startups e pequenas empresas e impedimento de que fiscais tratem dois cidadãos em situações similares de forma diferente, entre outros.

Estudo do governo mostra que a medida tem potencial de gerar 3,7 milhões de empregos e aumentar o PIB em 7% em um período de 10 a 15 anos.

“É uma MP muito importante, é uma alforria na geração de emprego no País. O Brasil hoje obriga o trabalho a ser feito de forma irregular”, afirmou o relator.
O relatório também prevê a extinção do eSocial quatro meses depois que a MP convertida em lei entrar em vigor. Por pressão do relator, o governo anunciou na terça-feira que acabará com o sistema e lançará, em janeiro de 2020, dois novos programas para envio de informações trabalhistas, previdenciárias e tributárias

Em acordo com o governo, Goergen também criou em seu parecer a carteira de trabalho digital, que substituirá a de papel. A expectativa do governo é lançar o aplicativo em setembro.

Ele também anistiou multas aplicadas por descumprimento da tabela do frete e previu a criação de um documento único para transporte de carga para reduzir os custos.

O relator incluiu ainda no texto aprovado na última quinta-feira, 11, os principais pontos da MP 876, que facilita a abertura e o fechamento de empresas. A MP caducaria esta semana sem votação.

As negociações em torno do relatório seguiram até a madrugada de quinta e, nos últimos minutos, o relator retirou pontos polêmicos que haviam sido incluídos por ele, como a permissão de remédios sem exigência de receita serem vendidos em supermercados e estabelecimentos do comércio varejista.

Ele também excluiu a criação de um regime especial de contratação “anticrise” que vigoraria enquanto o desemprego fosse maior que 5 milhões de pessoas e suspenderia artigos da CLT, como o que estabelece jornadas especiais de trabalho.

REAÇÃO

Associações trabalhistas reagiram ao que chamaram de “minirreforma trabalhista”, como o trabalho aos domingos, e o fim da obrigatoriedade de criação de Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) em estabelecimentos ou locais de obras com menos de 20 trabalhadores e para as micro e pequenas empresas. Para a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), há pontos no texto que são inconstitucionais.

O advogado e professor de Direito Civil Lindojon Bezerra disse que a MP altera pontos do Código de Defesa do Consumidor e pode prejudicar a proteção desses direitos.

Ele cita artigo que determina se tratar de abuso do poder regulatório restringir o uso de publicidade sobre setores econômicos.

“O texto aprovado exclui do espectro da norma apenas a propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias, deixando de fora todo o restante das atividades que podem ser nocivas ao consumidor, como exemplo a publicidade abusiva dirigida às crianças”, afirmou.

A MP 881 tem agora de ser aprovada nos plenários do Senado e da Câmara até setembro. De acordo com o relator, como já houve intensa negociação entre os parlamentares e o governo ainda na comissão, haverá prazo suficiente para a votação.

Fonte: Diário do Comércio


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados