crescimento-economia-thinkstock
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Economista do Ibre/FGV projeta PIB de 1,1% em 2019

Especialista descarta recessão técnica no segundo trimestre, já que todos os setores da economia – exceto a indústria – mostraram melhora nas expectativas. Já a taxa de desemprego vai cair lentamente.

A economista e coordenadora do Boletim de Macroeconomia do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), Silvia Matos, disse esperar que economia brasileira cresça 1,1% este ano. Ela participou na manhã desta quarta-feira (11/09), do Seminário FGV Ibre – Estadão: Perspectivas 2019 – 3º Trimestre.

Antes de anunciar sua projeção de crescimento para este ano, Silvia destacou que sempre descartou a ocorrência de recessão técnica no segundo trimestre. Ao contrário, afirmou que esperava alguma retomada. “A retomada gradual no cenário de confiança e a melhora nas condições financeiras corroboram este cenário”, disse a economista.

De acordo com Silvia, com exceção da indústria, todos os setores da economia mostraram melhora nas expectativas. Para o terceiro trimestre, no entanto, o cenário se mostra mais desafiador, podendo reduzir crescimento por causa de, entre outras coisas, a recessão na Argentina. Para 2020, o Ibre mantém a projeção de 1,8% de alta no PIB.

“Nunca esperamos crescimento muito grande para 2020 por causa da piora do cenário externo”, disse Silvia. Com relação à inflação, a economista espera que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique abaixo de 3,5%, o que deverá ampliar o espaço para o Banco Central (BC) continuar reduzindo a taxa básica de juros.

DESEMPREGO 

A taxa de desemprego, segundo Silvia Matos, deve perder espaço nas manchetes para a contínua queda da renda. “A taxa de desemprego não é tão importante”, disse a economista ao ser perguntada sobre como vê a taxa de desemprego no final do ano.

De acordo com a economista, a taxa de desemprego vai continuar caindo muito lentamente. E a razão para essa lentidão da queda prevista da taxa do desemprego é a volta das pessoas às ruas na busca de uma vaga de emprego. “As pessoas estão voltando a procurar emprego, tentando resolver o problema do desalento”, disse a economista do Ibre, para quem este fenômeno está acirrando a competição no mercado de trabalho, o que leva à redução da renda.

A taxa de desemprego, segundo os parâmetros da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad Contínua) está em 11,8%.

Fonte: Diário do Comércio


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados