1002819-25022016dsc_8599-
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Qual é o potencial da tecnologia no sistema tributário?

Reunião do Conselho de Altos Estudos de Finanças e Tributação (Caeft), da ACSP, discutiu a simplificação da legislação por meio de uma administração com foco na tecnologia da informação.

O excesso de obrigações acessórias, a difusão de regimes especiais, a cumulatividade de impostos, entre outros problemas atuais, afastam investimentos e atrasam a economia brasileira.

Para alguns especialistas, as mudanças trazidas pela informatização dos processos podem simplificar esse cenário. Para outros, no entanto, o viés digital impõe ainda mais desafios ao modelo tributário vigente. Afinal, a tecnologia tem o poder de estabelecer um novo modelo de gestão fiscal?

Com foco no contribuinte, o vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito Tributário e coordenador geral do Conselho de Altos Estudos de Finanças e Tributação (Caeft), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Luis Eduardo Schoueri, demonstrou preocupação com a adoção de uma legislação mais clara, com menos tributos desnecessários e menos repasse de custos.

“Toda tecnologia ou novidade que surge na área tributária provoca um retorno do Fisco, que a desenvolve e transfere o custo de adequação para os contribuintes”, diz.

CAEFT DISCUTIU PROCESSOS DE ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA E SUAS FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO

O problema foi discutido nesta segunda-feira (16/9), em reunião do Caeft. Na opinião de Eudaldo Almeida de Jesus, coordenador geral do Encontro Nacional dos Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais (Encat), tributar pelo conceito clássico parece não fazer mais sentido.

Na ocasião, o coordenador do Encat apresentou os processos na administração tributária e as ferramentas de diagnóstico que segundo ele, se orientam pela simplificação da relação Fisco-contribuinte, pela diminuição do tempo gasto pelos contribuintes no cumprimento das obrigações tributárias e na redução de custos de transação tributária.

Como exemplo, ele citou a metodologia Tadat (Tax Administration Diagnostic Assessment Tool), que permite identificar os pontos fortes e fracos dos processos e instituições da administração tributária, e que está sendo adaptada para os entes subnacionais após ter sido utilizada em 52 países.

POR QUE UTILIZAR O TADAT?

A intenção é padronizar e disseminar boas práticas internacionais da administração tributária.

Eudaldo explica que entender as fortalezas e fraquezas de uma administração é crucial para compreender o que pode ser melhorado e o que está funcionando bem e pode ajudar as autoridades a focalizar nas melhorias do desempenho das áreas mais fracas, além de facilitar uma visão compartilhada entre todas as partes sobre o estado da administração tributária.

“Uma melhor compreensão do que funciona e do que não funciona ajuda na definição dos objetivos de reformas, no estabelecimento das prioridades e na implementação sequencial. Isso reforça o desenho das iniciativas de reforma da administração tributária”, diz.

Nas palavras do auditor fiscal, a partir de uma problemática, o Tadat apresenta um relatório final capaz de reconhecer a chave das limitações que acometem as administrações tributárias locais.

Trata-se de uma metodologia que cruza indicadores de medição focados em nove áreas críticas, como, por exemplo, integridade de registro dos contribuintes, gestão de risco eficaz e apoio no cumprimento das obrigações tributárias, entre outros.

“Isso permite afinar um modelo de reforma moldado aos objetivos e prioridades em questão”, diz.

Até agora, o modelo passou por cinco avaliações no Brasil – em Alagoas, Brasília, Goiás, São Paulo e Rio de Janeiro.

Fonte: Diário do Comércio


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados