podar-juros-thinkstock-economia-dc (1)
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Copom corta Selic de 6% para 5,5% ao ano

Taxa de juros agora está em um novo piso da série histórica, iniciada em junho de 1996. Para a ACSP, decisão foi acertada e mostra que o Banco Central está preocupado com o nível de atividade econômica.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic (a taxa básica de juros da economia) de 6% para 5,5% ao ano. Este é o segundo corte da taxa no atual ciclo, após um período de 16 meses de estabilidade. Com isso, a Selic está agora em um novo piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

Em meio à fraqueza da economia e aos índices controlados de inflação, a expectativa majoritária do mercado financeiro era de que a Selic passasse por um novo corte. De um total de 55 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, todas esperavam por um corte de 0,50 ponto, para 5,50% ao ano. Ao justificar a decisão, o BC avaliou que a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve ajuste no grau de estímulo monetário. 

Para a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central acertou ao reduzir a taxa básica de juros (Selic) em 0,50 p.p., para 5,5% a.a.

Segundo Marcel Solimeo, economista da ACSP, o corte foi acertado e já era esperado, mostrando que o Copom está preocupado com o nível de atividade econômica que enfraqueceu. 

Apesar da incerteza que predomina no cenário externo, o Copom se baseou na situação interna da economia, que mostra a inflação sob controle e retomada da atividade muito lenta que justificaria essa redução, afirma o economista.

“As condições para a redução da taxa de juros estão dadas tanto no campo monetário – com a inflação sob controle e dentro da meta – quanto no campo fiscal, com a aprovação da reforma da Previdência avançando. Esses fatores justificam plenamente esse processo de redução da taxa básica de juros”, explica.

Para o colegiado, o corte de 0,50 ponto é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante para a condução da política monetária, que inclui o ano-calendário de 2020. Ao mesmo tempo, o BC sinalizou que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo.

Ainda assim, o Copom novamente ponderou que essa avaliação não restringe a decisão na próxima reunião, marcada para os dias 29 e 30 de outubro. “Os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”, reiterou o comunicado.

Solimeo avalia que o Copom pode promover novos cortes nas próximas reuniões, até que a taxa Selic chegue a 5% no fim do ano. “Mas é importante que essas reduções cheguem ao consumidor”, afirma.

CENÁRIO HÍBRIDO

No documento, o BC também atualizou suas projeções para a inflação. No cenário de mercado – que utiliza expectativas para câmbio e juros do mercado financeiro, compiladas no relatório Focus -, o BC alterou sua projeção para o IPCA em 2019 de 3,6% para 3,3%. No caso de 2020, a expectativa passou de 3,9% para 3,6%.

No cenário de referência, em que o BC utilizou nos cálculos uma Selic fixa a 6,00% e um dólar a R$ 4,05, a projeção para o IPCA em 2019 passou de 3,6% para 3,4%. No caso de 2020, o índice projetado se manteve em 3,6%.

Pela primeira vez, o comunicado da decisão do Copom também trouxe um cenário híbrido, com câmbio constante e taxa de juros conforme as expectativas do mercado, no relatório Focus. Nesse cenário, a inflação projetada para 2019 passou de 3,6% no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de junho para 3,4%.

Para 2020, a estimativa passou de 3,9% para 3,8%. O centro da meta de inflação perseguida pelo BC este ano é de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%), com meta de 4,00%, com margem de 1,5 ponto (de 2,5% a 5,5%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (2,25% a 5,25%). Já a meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (2,00 a 5,00%).

Fonte: Diário do Comércio


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados