franchising
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

O que muda com o novo marco regulatório das franquias

Modernização da lei de 1994 foi aprovada no Senado na última quarta-feira (06/11) e traz novidades, como a sublocação de imóveis do franqueador ao franqueado e regras para franquias públicas, entre outras.

O Senado aprovou na última quarta-feira (06/11) o PL 219/2015, que vinha tramitando no Congresso desde então e atualiza o marco legal das franquias no Brasil. Agora, o PL vai à sanção presidencial, que tem 15 dias para ocorrer, e entra em vigor 90 dias após sua publicação no Diário Oficial.

Esse projeto, de autoria do ex-deputado Alberto Mourão, revoga a legislação atual, conhecida como “Lei do Franchising” (8955/1994), e introduz novas regras, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), que representa o setor e apoiou a modernização do marco. 

A Lei de 1994, que teve um papel fundamental no fortalecimento desde mercado, segundo André Friedheim, presidente da ABF, era simples, direta e previa condições equilibradas entre franqueador e franqueado para realizar negócios de uma forma transparente e segura. Porém, 25 anos depois, se tornou necessário fazer algumas alterações. 

“Com essa nova regra, conseguimos manter as conquistas originais, deixar mais claros alguns pontos e e acrescentar dispositivos que podem acelerar a abertura de novas unidades e o crescimento do setor como um todo”, afirma, lembrando que o franchising brasileiro faturou R$ 174,8 bilhões em 2018. 

THAIS, DO NOVOA PRADO: UM GRANDEAVANÇO PARA O SETOR DE FRANQUIAS

Especialista em franchising, a advogada Thaís Kurita, do escritório Novoa Prado Advogados, que considera o novo marco “um grande avanço para as franquias”, destaca as principais mudanças. Entre elas, está o afastamento do vínculo empregatício entre franqueador e franqueados e entre franqueadora e empregados dos franqueados, assim como a não-aplicação do Código de Defesa de Consumidor, já que não existe relação de consumo entre as partes.

“Tais alterações assentam de maneira definitiva o que já vinha acontecendo com uma frequência bastante grande em nossos Tribunais. Mas é uma vitória, já que uma ou outra decisão poderiam se fundar no Código de Defesa do Consumidor para interpretar a relação entre as partes”, diz a advogada, que considera a nova lei mais ‘transparente’ em determinados pontos – embora, num primeiro momento, pareça ter trazido mais rigor e menos flexibilidade. 

Como, por exemplo, a obrigação de constar na Circular de Oferta de Franquia (COF) itens que, anteriormente, eram previstos apenas no contrato de franquia, como conselhos e associações de franqueados, compra mínima e regras de transferência que estão previstas na Lei. Também foram criadas sanções por omissão ou circulação de informações inverídicas na COF. 

Assim, de acordo com a advogada, o franqueador precisará, cada vez mais, de especialistas que redijam a COF com a segurança jurídica necessária para preservar a marca e a continuidade do negócio, bem como deixar claro ao franqueado o que ele está comprando. Também foi mantida a obrigação de de fornecer a COF ao candidato com antecedência mínima de dez dias. 

“Cabe a nós, agora, fazer nossa lição de casa e verificar os impactos em cada negócio, em particular. Desde já, recomendamos um estudo profundo da nova lei e a revisão de contratos, da COF e de outros instrumentos jurídicos para melhor adequação”, destaca André Friedheim, da ABF.

EXPANSÃO SUSTENTÁVEL

Thaís Kurita também aponta outra mudança importante na lei: agora, a sublocação do ponto comercial ficou mais clara. “Até hoje, a locação em franquia segue a lei geral de locações, não há nada na lei 8.955/94 que verse sobre isso. Porém, com a inclusão do tema, muita coisa muda”, diz.

Como exemplo, a advogada diz que fica claro, a partir da mudança, que o franqueador (o sublocador) poderá sublocar o imóvel ao franqueado (o sublocatário) a um valor maior do que o locou. Até agora, isso não era permitido por lei. Agora, na renovação do contrato, tanto um quanto o outro podem propô-la, sendo que os dois são mantidos nessa renovação.  

FRIEDHEIM: PARA FAZER A LIÇÃO DE CASA EAVALIAR OS IMPACTOS NEGÓCIO A NEGÓCIO

“O que ocorria, até hoje, é que o franqueador não existia no contrato de aluguel. Então, se o franqueado perdesse o prazo de renovação, a marca poderia perder pontos estratégicos, fundamentais para ela”, afirma. Agora, porém, ambas as partes podem solicitar a renovação do contrato, preservando a continuidade da marca, diz Thaís.

A nova lei incluiu as entidades públicas e suas licitações no sistema de franchising, autorizando as empresas públicas e sociedades de economia mista a adotarem o sistema de franquia. Neste caso, a COF será divulgada no início do processo de seleção. “É um acréscimo que põe fim a uma discussão antiga, se seria possível a adoção do franchising em empresas públicas”, destaca.

Um outro acréscimo interessante, segundo a advogada, foi incluir as entidades sem fins lucrativos, que adotam o sistema há muitos anos, mas tinham uma certa acerca de sua aplicabilidade.

Por fim, a Circular de Oferta de Franquia permanece sendo o grande destaque da lei. “É neste documento que estão salvaguardados todos os direitos e deveres do franqueador e do franqueado, bem como o relatado para o modelo do negócio”, afirma a advogada.

É importante, portanto, ter o documento muito bem redigido, com seriedade e transparência, de maneira que ele reflita a verdade de cada marca. “Sem isso, não há expansão que se sustente, e o franchising não teria se mantido ativo, economicamente viável e uma potência desde a sua criação.”

Fonte: Diário do Comércio


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2019 - Todos direitos reservados