Real-Moeda Nacional
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Reformas trarão mais queda de juros, afirma CNI

Entidade fez avaliação sobre nova queda histórica da taxa Selic

O avanço nas reformas estruturais da economia brasileira é essencial para que os juros básicos se mantenham em níveis baixos e voltem a cair no futuro. A avaliação é da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que defendeu medidas adicionais para garantir espaço para novos cortes.

Segundo a entidade, a aprovação da reforma da Previdência e o controle da inflação foram primeiros passos para garantir a recuperação do crescimento. No entanto, para a CNI, a reforma tributária deve ser a nova prioridade. “O governo, o Congresso, os empresários e os demais segmentos da sociedade precisam se mobilizar para que o país acelere a agenda de reformas voltadas ao crescimento da economia e da indústria. A prioridade desta agenda é a reforma tributária”, destacou a confederação em nota.

A CNI listou outras ações que considera imprescindíveis, como a redução dos custos dos financiamentos, o corte da burocracia, a modernização da infraestrutura, os investimentos em inovação e na formação de trabalhadores. Para a entidade, Copom acertou ao reduzir os juros básicos da economia para 4,25% ao ano, porque a inflação está sob controle e a economia enfrenta incertezas, como o fraco desempenho da indústria em dezembro e o surto de coronavírus.

“Diante do cenário de incertezas, a redução dos juros é indispensável para estimular o consumo das famílias e o investimento das empresas”, ressaltou o comunicado da CNI.

Rio de Janeiro

Em nota divulgada há pouco à imprensa, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) considerou acertada a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de reduzir a taxa básica de juros da economia em 0,25 ponto percentual. “Os resultados negativos da atividade econômica e expectativas para a inflação ancoradas abaixo da meta são elementos que sustentam a redução da Selic”, afirmou a entidade no comunicado.

A federação destacou novamente a necessidade de continuidade da agenda de reformas estruturais pelo governo federal. “A concretização de medidas fiscais, como a reforma tributária e o Plano Mais Brasil, será fundamental para a retomada do crescimento sustentável e a manutenção das expectativas ancoradas”, avaliou a entidade.

Fonte: Agencia Brasil

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados