movi-pec45-corte (1)
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Propostas de reforma tributária elevam impostos para agro e serviços

Entidades empresariais organizam mobilização contra as PECs 45 e 110, que elevariam em até 400% as alíquotas tributárias de serviços ligados à saúde e educação.

Entidades e lideranças empresariais lançaram na manhã desta segunda-feira, 17/02, um movimento contra as PECs 45 e 110, que tratam da reforma tributária. Essas propostas, que estão tramitando no Congresso Nacional, elevariam em mais de 400% as alíquotas tributárias de alguns setores, como serviços e agronegócio.

Segundo Everardo Maciel, ex-secretário da Receita Federal, o pequeno produtor rural seria o mais afetado por essas PECs. Cerca de 1 milhão de produtores pessoa física seriam equiparados a pessoa jurídica para fins tributários, e passariam a ser onerados por uma alíquota 25%. “A margem desses produtores é de 1%, se estiverem sujeitos a essa alíquota, será a falência do agronegócio no país”, disse o ex-secretário.

Maciel questionou os interesses por trás das propostas de reforma tributária que tramitam no legislativo. “A Pec 45 é um projeto elaborado por uma empresa privada, para atender a interesses privados de alguns setores”, disse ele durante o lançamento do movimento de entidades e lideranças.

Os efeitos negativos das propostas que tramitam no Congresso também atingiriam o setor de serviços. De acordo com Gabriel Kanner, presidente do movimento Brasil 200, segmentos ligados à saúde, como os prestados em consultórios médicos, teriam aumento de até 400% nos impostos. Na educação, haveria aumento de 311% de carga tributária de escolas particulares.

“Enquanto esses setores importantes teriam aumento de impostos, bancos e grandes indústrias, como a automobilística, ganhariam alívio na carga com essas PECs”, disse Kanner.

A PEC 45 prevê uma alíquota padrão para todos os setores da economia, de 25%. Ela englobaria vários tributos, entre eles o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Na prática, essa alíquota única elevaria a tributação para saúde, educação, habitação, entre outros.

LEIA MAIS: Algumas observações sobre a PEC 45

Para Flávio Rocha, presidente do conselho de administração da Riachuelo, os setores de serviços e comércio são muito sensíveis a qualquer variação da carga tributária porque têm a informalidade como concorrente. “Uma mudança de 1% da alíquota pode descompensar a convivência entre varejista e o camelô, por exemplo. Não se pode tirar IPI da indústria e jogar no comerciante, na manicure, no restaurante. Isso causaria a desorganização completa da economia do país”, disse.

Também crítico das PECs, Marcos Cintra, ex-secretário da Receita Federal do governo Bolsonaro, diz que as propostas não estão adequadas à economia moderna. “Estamos na economia digital, e esses projetos apenas reintroduzem tributos ultrapassados”, disse Cintra.

A PEC 45, segundo ele, é uma reedição de ideias que são discutidas desde 1995. “São propostas que já foram recusadas e estão sendo reapresentadas. Precisamos trilhar um caminho de modernidade”, disse.

COTAIT: REFORMA PRECISA DESONERAR A FOLHA E REDUZIR OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Alfredo Cotait, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), lembrou que o movimento de entidades e lideranças não se posiciona contra a reforma tributária, mas sim contra as propostas específicas trazidas pelas PEC 45 e 110.

“Apresentaram essas propostas, mas não ouviram a sociedade civil, os empresários, os trabalhadores, que de fato serão prejudicados por elas”, afirmou Cotait.

O presidente da ACSP disse que o movimento irá cobrar explicações de deputados e senadores sobre as PECs e levar novas sugestões. “A reforma tributária que queremos precisa desonerar a folha e reduzir o número de obrigações acessórias para melhorar as condições de emprego”, disse Cotait.

O movimento envolve mais de 100 entidades e lideranças empresariais. Em seu lançamento estiveram presentes cerca de 800 pessoas, entre elas, representantes de empresas e políticos.

PROPOSTAS DO MOVIMENTO

Assim como as PECs, a proposta do movimento de entidades e lideranças também busca a unificação de impostos, mas de uma maneira que permita a desoneração da folha. Uma das ideias apresentadas seria compensar a desoneração com uma maior tributação sobre movimentação financeira.

A iniciativa prevê acabar com as contribuições patronal ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), Incra e salário educação. Também seria reduzida a contribuição dos trabalhadores ao RGPS em três pontos percentual, que passaria a variar de 5% a 8% (hoje varia de 8% a 11%), dependendo da faixa salarial do empregado.

Para compensar essas desonerações, a nova base de tributação elevaria as alíquotas sobre movimentação financeira em depósitos à vista nos bancos. Prevê ainda uma contribuição com alíquota de 0,81% no saque. Essas medidas não atingiriam a poupança e outras aplicações financeira.

CERCA DE 800 PESSOAS, ENTRE ELAS EMPRESÁRIOS E POLÍTICOS, PARTICIPARAM DO LANÇAMENTO DE AÇÃO CONTRA AS PECS 45 E 110

Fonte: Diário do Comércio

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados