idosos-4
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CÁLCULO DA NOVA TABELA PROGRESSIVA DO INSS: ALÍQUOTAS E PARCELA A DEDUZIR

O novo cálculo do INSS foi divulgado em janeiro de 2020 e trouxe novidades para os contribuintes.

As alterações são baseadas no reajuste do salário mínimo e na Reforma da Previdência de 2019, conforme as faixas abaixo:

– 7,5% até um salário mínimo (R$ 1.045);
– 9% para quem ganha entre R$ 1.045,01 R$ e 2.089,60;
– 12% para quem ganha entre R$ 2.089,61 e R$ 3.134,40;
– 14% para quem ganha entre R$ 3.134,41 e R$ 6.101,06.;

Já no setor público, a alíquota pode chegar a 22%.

Alíquotas progressivas INSS
A principal mudança do novo cálculo do INSS, além do reajuste de acordo com o salário mínimo, é a implementação das alíquotas progressivas previstas na Reforma da Previdência.

Isso significa que as taxas serão cobradas apenas sobre a parcela do salário que se enquadrar em cada faixa, fazendo com que o percentual descontado do total dos ganhos seja diferente.

Ou seja: a alíquota efetiva aplicada ao salário de cada trabalhador para a aposentadoria vai mudar. O objetivo é tornar a arrecadação mais justa: quem ganha menos vai contribuir menos para o INSS, e quem ganha mais, vai contribuir mais.

Como calcular alíquota a ser aplicada
Entre cada parcela, o cálculo é feito considerando o máximo e o mínimo destas e a alíquota a ser aplicada. Enquanto o valor do salário não é atingido, é considerado o teto da faixa salarial.

Veja como fica o cálculo para um salário de R$ 3.000,00 como exemplo, que se encontra na 2ª faixa:

– 1ª faixa salarial: 1.045,00 x 0,075 = 78,38
– 2ª faixa salarial: [2.089,60 – 1.045,00] x 0,09 = 1.044,60 x 0,09 = 94,01
– Faixa que atinge o salário: [3.000,00 – 2.089,60] x 0,12 = 910,40 x 0,12 = 109,25
– Total a recolher: 109,25 + 94,01 + 78,38 = 281,64

Com este resultado é possível calcular a alíquota efetiva que se encontra em cerca de 9,39% (281,64 ÷ 3.000,00).

Método alternativo
Uma outra forma de calcular o desconto ao INSS é fazer como no Imposto de Renda: multiplicando o valor pela alíquota correspondente e subtraindo uma parcela a deduzir.

Para calcular por esta forma, desenvolvemos a tabela a seguir com parcelas a deduzir para cada faixa salarial:

 

Salário de Contribuição Alíquota Parcela a deduzir
Salário mínimo: R$ 1.045,00 7,5%
De R$ 1.045,01 a R$ 2.089,60 9% 15,67
De 2.089,61 a R$ 3.134,40 12% 78,36
De R$ 3.134,41 a R$ 6.101,06 14% 141,05


Desta forma, basta identificar a faixa que se encontra o salário, aplicar a alíquota e subtrair a parcela correspondente à faixa salarial.

Com o salário nominal em R$ 3.000,00 do exemplo anterior, o cálculo por este método fica:

– Alíquota correspondente: 3.000,00 x 0,12 = 360,00
– Parcela a deduzir: 360,00 – 78,36 = 281,64
– Por este método obtemos o mesmo valor de R$ 281,64 a contribuir para o INSS.

Para encontrar as parcelas de dedução, comparamos os valores com os resultados obtidos pelo método direto.

Por exemplo, no teto de contribuição de R$ 6.101,06 o valor a contribuir é de R$ 713,10. Pelo método direto, calculando faixa a faixa, o cálculo fica:

– 1ª faixa salarial: 1.045,00 x 7,5% = 78,38
– 2ª faixa salarial: (2.089,60 – 1.045,00) x 9% = 1.044,60 x 9% = 94,01
– 3ª faixa salarial: (3.134,40 – 2.089,60) x 12% = 1.044,80 x 12% = 125,38
– 4ª faixa salarial: (6.101,06 – 3.134,40) x 14% = 2.966,66 x 14% = 415,33
– Total a recolher: 78,38 + 94,01 + 125,38 + 415,33 = 713,10

Se optarmos por calcular diretamente 14% de R$ 6.101,06 ficamos com R$ 854,15. A diferença para o valor a contribuir que encontramos pelo método direto, é o valor da parcela a abater dentro desta faixa:

– 854,15 – 713,10 = 141,05

Com os outros valores que se encaixam na 4ª linha da tabela, vemos que a parcela a deduzir é a mesma e o método funciona. Para encontrar as outras parcelas o processo é o mesmo.

Lembrando que utilizamos aqui valores arredondados, o que pode diferenciar do sistema do governo quando este utiliza truncamentos. Contudo, a tabela pode ser utilizada principalmente para conferir os valores calculados pelo método direto.

Cálculo do salário líquido
Após definir os valores que se destinam ao INSS, o próximo passo para calcular o salário líquido é descontar o Imposto de Renda a ser retido na fonte.

Para calcular o desconto do Imposto de Renda utilizamos a tabela com os valores das alíquotas, considerando que existe uma dedução por dependente de R$ 189,59.

Tabela IRRF

Base de cálculo Alíquota Parcela a deduzir
Até R$ 1.903,98
De R$ 1.903,99 até R$ 2.826,65 7,5% 142,80
De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,05 15% 354,80
De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68 22,5% 636,13
Acima de R$ 4.664,68 27,5% 869,36

A base de cálculo do IR é o valor do salário bruto subtraído do desconto ao INSS e da respectiva dedução por dependente. A seguir, basta multiplicar pela alíquota da tabela e deduzir a parcela.

Por exemplo, para o salário bruto de R$ 3.000,00 e com um desconto INSS de R$ 281,64, se considerarmos que o trabalhador tem dois dependentes, o cálculo fica:

– Salário após desconto ao INSS: 3.000,00 – 281,64 = 2.718,36
– Desconto para dois dependentes: 2.718,36 – (2 x 189,59) = 2.339,18

Consultando a tabela, vemos que a base de cálculo se enquadra na segunda linha. Com isso, multiplicamos a alíquota e subtraímos a dedução:

– Alíquota: 2.339,18 x 0,075 = 175,44
– Parcela a deduzir: 175,44 – 142,80 = 32,64

Ao final, podemos calcular o salário líquido subtraindo a contribuição ao INSS e o desconto ao IR, sendo neste caso um valor de R$ 2.685,72 líquido.

Vale lembrar que podem existir outros descontos conforme cada caso, como por exemplo os descontos para vale-transporte, convênios médicos, seguros e outros.

Informações: Dicionário Financeiro
Fonte: Contábeis

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados