1B0F1BD79FC8F7D2CC053BFF2A81BBC34A1E_money
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

TRF-4 permite substituição de bloqueio de dinheiro por outras garantias

Na crise econômica causada pelas medidas de contenção do coronavírus, o Judiciário deve flexibilizar a jurisprudência, pesando os interesses da Fazenda Pública e dos contribuintes. Nesse cenário, o bloqueio de valores por meio do sistema Bacenjud pode afetar empresas de forma irreversível, comprometendo a geração de riquezas, empregos e o pagamento de fornecedores.

Esse foi o entendimento firmado pelo magistrado Alexandre Rossato da Silva Ávila, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, ao aceitar pedido de antecipação da tutela recursal da empresa Comercial Matelandia para determinar a liberação de valores penhorados em favor da União após substituição desta garantia por outra.

O pedido da empresa foi negado em primeira instância, com base na jurisprudência do TRF-4. A companhia recorreu, argumentando que, devido à crise econômica, precisa dos valores bloqueados para pagar funcionários e fornecedores.

O magistrado, em decisão de 31 de março, apontou que, diante da contração econômica causada pelas medidas de enfrentamento da Covid-19, os princípios da menor onerosidade ao devedor e da universalidade da jurisdição exigem que Poder Judiciário aumente a proteção ao contribuinte.

“Diante deste contexto de grave crise social e econômica, impõe-se a flexibilização da uniformidade da jurisprudência, conferindo à proteção da confiança e à segurança jurídica interpretação que pondere os interesses do devedor e os da Fazenda Pública. O equilíbrio deste conflito deve possibilitar, de modo simultâneo, que os interesses da Fazenda, sempre que possível, sejam resguardados com garantias suficientes para proteger os seus créditos e que o devedor continue exercendo as suas atividades, gerando riqueza e auferindo os recursos necessários para manter os seus empregados, pagar tributos e fornecedores”, afirmou o magistrado.

“Nessa perspectiva, o bloqueio de ativos financeiros pelo Bacenjud inflete diretamente contra a base deste equilíbrio, fragilizando, muitas vezes de forma irreversível, a situação econômica do devedor em exclusivo benefício da Fazenda Pública”, disse o julgador.

Ele citou decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, na qual ele afastou dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101/2000) e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (Lei 13.898/2020) para estados combaterem a pandemia da Covid-19.

De acordo com Ávila, o mesmo raciocínio deve ser usado com relação às empresas contra as quais a Fazenda Pública promove execução fiscal. Assim, nesse cenário de crise, a Justiça deve permitir a substituição do bloqueio de dinheiro se as companhias oferecerem outras garantias.

A Comercial Matelandia ofereceu um imóvel e outros bens móveis no lugar da penhora dos valores. Na visão juízo, esses ativos garantem os créditos tributários da União e permitem que a empresa continue desenvolvendo suas atividades. “Afinal, empresa fechada não paga impostos, não dá empregos, não gera riqueza”, destacou Alexandre Ávila.

Alívio no caixa
Com a crise econômica causada pelas medidas para conter a propagação do coronavírus, empresas podem pedir a substituição de depósitos judiciais por outras garantias em processos trabalhistas, tributários e previdenciários, afirmam advogados.

Com isso, as companhias ficam com mais dinheiro em caixa para pagar trabalhadores, fornecedores e tributos. E o credor não perde com a substituição. Isso porque seguro-garantia e fiança bancária são eficientes, prestados por entidades confiáveis, que honrarão suas obrigações se o devedor ficar inadimplente no processo.

Fonte: Conjur


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados