porto-container-caminhao-pixabay-corte
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Confira o passo a passo para sua empresa começar a exportar

Analisar a demanda do produto e a capacidade de produção e investimento da indústria é fundamental. Parcerias com comerciais exportadoras trazem vantagens competitivas.

A desvalorização do real, apesar do cenário de incertezas globais causado pela pandemia do novo coronavírus, é um convite para empresas e indústrias que ainda não exportam começarem a explorar novos mercados.

Mas essa não é uma tarefa simples. Será que qualquer empresa pode exportar, independentemente do seu porte, produto ou condição financeira? Como deve proceder a indústria interessada em desbravar outros países? Quem pode ajudá-la nessa missão?

Para responder a essas e outras questões, a SP Chamber, braço de comércio exterior da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), promoveu uma série de lives para orientar os empresários interessados em diversificar os negócios e desenvolver uma cultura de exportação.

“No momento, a maior oportunidade que vislumbro para as empresas é o comércio exterior”, afirma Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP. “Ele terá mais chances de êxito se as empresas, principalmente as de pequeno porte e sem estrutura para apresentar seus produtos lá fora, trabalharem em parceria com as comerciais importadoras e exportadoras”.

O mesmo ponto de vista tem o assessor de Negócios Internacionais da SP Chamber, Maurício Manfré. “Estamos passando por um período que temos que considerar a expansão e a abertura de novos mercados para a manutenção do fluxo da produção, das vendas, das receitas e da manutenção dos postos de trabalho das empresas”, diz.

TODOS PODEM EXPORTAR?

De acordo com Manfré, a primeira pergunta que o empresário interessado em exportar deve fazer é se o seu produto é exportável, ou seja, se está pronto ou tem potencial para exportação. “É preciso avaliar as características de consumo do produto e o que o mercado diz sobre ele”, explica.

Se o produto é consumido no mundo e na América Latina, o empresário deve seguir em frente no seu objetivo. Se o produto é consumido só no Brasil, segundo Manfré, a empresa deve fazer um investimento em marketing B2C, ou seja, “business to consumer”.

“Esse processo visa criar um reconhecimento do produto pelo consumidor para que ele possa buscá-lo nas gôndolas. O interesse pelo produto deve ser desenvolvido no mercado desejado, podendo ser feito por meio de quiosques, shopping malls, entre outros meios”, afirma.

CAPACIDADE PRODUTIVA

Outro ponto a ser considerado é a capacidade produtiva da empresa. Se ela for ociosa ou próxima do limite, a exportação é possível. No entanto, se a capacidade estiver tomada, antes de pensar em ampliar sua atuação para mercados externos, o empresário precisa fazer investimentos em expansão.

Outra possibilidade é identificar fábricas do mesmo segmento e fazer parcerias para terceirizar a produção. “A exportação não é algo que surge de um dia para o outro, ou que se construa de uma forma rápida. Ela deve ser pensada, avaliada e planejada”, ressalta Manfré.

CARACTERÍSTICAS REGULATÓRIAS

Um aspecto fundamental é verificar as características regulatórias do produto, ou seja, conferir se está em conformidade com os órgãos reguladores competentes no Brasil. Caso o produto cumpra integralmente as normas, não há problemas.

Se cumprir parcialmente ou não cumprir as normas brasileiras, o empresário deve seguir em frente com o pensamento de exportação, mas terá que promover as adequações necessárias e regularizar a situação antes de exportar.

SITUAÇÃO FINANCEIRA

É preciso verificar a situação financeira da empresa. “Para iniciar o processo de conquista de novos mercados, a empresa deverá fazer algum investimento em ferramentas de identificação e conquista de clientes no exterior, na remessa, preparação e adaptação do produto ao novo mercado”, diz o assessor da SP Chamber.

Dessa forma, se a empresa conta com capital de giro e recursos para investimentos, não haverá problemas. Caso disponha de capital de giro, mas não possua dinheiro para investir, vale considerar as linhas de financiamento à exportação oferecidas por instituições bancárias.

Já na hipótese da empresa estar com dificuldades financeiras, a exportação deve ser deixada para um segundo momento.

IDENTIFICAÇÃO DE MERCADOS

Por fim, é preciso identificar os mercados que consumirão o produto, ou seja, os países importadores. Também convém fazer um levantamento dos locais onde já existam exportações brasileiras. ”Isso demonstra oportunidades de negócios e baixas barreiras para operar”, conta Manfré.

QUEM PODE AJUDAR?

Após constatar que o produto tem demanda em outros países, que a empresa tem capacidade de produção, que o produto cumpre normas regulatórias e que a empresa tem recursos para investir, chegou a hora de exportar.

De acordo com Manfré, a indústria pode exportar de forma direta, quando a operação é feita por ela mesma, ou indireta, por meio de uma empresa comercial importadora e exportadora.

Esta, por sua vez, pode oferecer três caminhos para a indústria: agir como um representante comercial; agir como um distribuidor; ou agir como um consultor ou assessor.

Atualmente, segundo Manfré, 10% das exportações brasileiras se dão por meio de empresas comerciais importadoras e exportadoras, e 30% dos exportadores brasileiros são empresas desse segmento.

Uma dessas empresas é a Paraná Trading Comércio & Exportação. De acordo com o sócio-fundador João Zogueib Souza, a escolha de um dos três caminhos de relacionamento entre a empresa e a comercial importadora e exportadora depende do momento dos dois lados e de um alinhamento de estratégias.

“Também tem o lado do produto, como ele é, qual seu diferencial, quais nichos serão atendidos, qual investimento e necessidade de adaptação de embalagens, qual nível de maturidade econômica, entre outros pontos”, cita Souza.

O empresário recomenda que, na relação entre indústria e comercial importadora e exportadora, é importante formalizar um contrato com direitos e obrigações entre as partes.

“O trabalho entre a indústria e a comercial importadora e exportadora deve ser de parceria, de busca de soluções. Essa parceria não deve ser considerada apenas para dar os primeiros passos ou quebrar a inércia, mas ser duradoura em busca de um melhor direcionamento de mercado”, diz Manfré.

VANTAGENS

Contar com o apoio especializado de uma comercial importadora e exportadora traz uma série de vantagens competitivas para as empresas, principalmente as pequenas e médias.

Segundo a presidente do Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (CECIEx), Rita Campagnoli, essas empresas possuem um amplo conhecimento do mercado externo e de suas exigências, além dos canais de distribuição.

”Elas produzem conhecimento, incentivam e operam de acordo com as estratégias das indústrias, que por sua vez devem estar minimamente preparadas”, diz Rita, que também é membro do Conselho Deliberativo e do Conselho de Comércio Exterior da ACSP.

A empresa pode trabalhar com mais de uma comercial importadora e exportadora se for atuar em mercados distintos. Outra possibilidade é exportar diretamente para determinado país e contar com a parceria de uma comercial para atingir outros mercados.

“O mais importante é não haver conflito. O mercado é muito grande e é difícil abraçá-lo sozinho”, conclui Rita.


Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados