leisetributos-reformasenado-marcosoliveitagsenado
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Reforma tributária será votada até 10 de dezembro, diz relator

Esse é o prazo final para votação no plenário da Câmara, diz o senador Roberto Rocha (PSDB-MA). Porém, ele reconhece que as eleições municipais dificultarão o avanço das negociações.

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) disse nesta terça (13/10), que a reforma tributária será votada em comissão mista, presidida por ele, até 10 de dezembro.

A data corresponde ao novo prazo final de votação da matéria pelo colegiado especial, que venceria nesta terça-feira, mas foi renovado. “Até o dia 10 de dezembro, o relator apresentará o relatório e o relatório será votado na comissão”, afirmou o senador, durante participação em evento do Lide.

Rocha disse ser possível a votação da reforma ainda neste ano pelo plenário da Câmara, onde ele vê maior engajamento em torno da matéria. “Como na Câmara já andou bem, não seria o caso de começar do zero. Pode começar com o substitutivo e votar na Câmara ainda neste ano'”, afirmou o parlamentar, após prometer uma evolução da agenda, no “máximo possível”, mesmo durante as eleições municipais.

Ele reconheceu, no entanto, que as eleições dificultam o avanço das negociações. “Evidentemente, entramos num recesso branco. Se você for para Câmara e Senado, não vai ver ninguém. Está todo mundo em campanha”, disse o senador.

Também presente no evento, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da reforma tributária, disse que a matéria não será fatiada, embora alguns temas, como o modelo de tributação pelo Simples, possam ficar para o futuro. “Não vamos ter duas votações de reforma tributária”, comentou.

Ao citar outras dificuldades que atrasam a votação da reforma, Rocha lembrou que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) está fechada na Câmara. O senador defendeu que a cobrança de um imposto sobre transações eletrônicas, ponto mais polêmico das discussões, aconteça em apenas uma ponta, o que levantaria uma arrecadação de R$ 60 bilhões, e seja temporária.

“A arrecadação com a chamada ‘nova CPMF’ permitiria reduzir a tributação da folha salarial das empresas de 20% para 14%, observou Rocha.  

FOTO: Agência Brasil

FONTE: Diário do Comércio

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados