credit-card-dcomercio
CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

CMMR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Pix promete dar novo impulso à expansão do e-commerce

Ainda em fase restrita de funcionamento, a ferramenta promete velocidade, conveniência, multiplicidade de uso e até mais vendas para o varejo, já que pode facilitar conversões

Programado para começar a operar para o público em geral no próximo dia 16, o Pix, novo sistema de pagamento instantâneo, já está funcionando em fase restrita, para um pequeno grupo de clientes. 

Desde que foi divulgada, a nova modalidade entrou no radar de quem tem e-commerce pelo potencial que possui de simplificar o processo de venda, aumentando a taxa de conversão.

Quem gere uma loja virtual que aceita pagamentos com cartão de crédito ou débito sabe que pode demorar até um mês para ter o valor disponível no caixa do negócio. Ou seja, a perspectiva de fluxo de caixa nem sempre pode ser considerada em sua totalidade. 

Com o Pix, quem vende um produto recebe o dinheiro na hora e quem paga não precisa arcar com taxas extras de boleto ou transferência. A dinâmica é similar aos conhecidos TED e DOC, mas com algumas diferenças bem importantes.

Para começar, quem envia o dinheiro não paga nenhuma taxa extra ao utilizar o serviço. E, enquanto com TED ou DOC o dinheiro pode demorar até o próximo dia útil para cair na conta de destino, com o Pix isso acontece em até 10 segundos. Além disso, a movimentação financeira é realizada 7 dias por semana, 24 horas por dia, inclusive aos feriados.

A ferramenta já nasceu no contexto das novas tecnologias e implementar essa mudança no seu e-commerce pode melhorar tanto a experiência dos consumidores quanto da empresa. Em entrevista ao Diário do Comércio, Ralf Germer, CEO e cofundador da PagBrasil, fintech de pagamentos para e-commerce, explica o porquê disso. 

Diário do Comércio – A pandemia provocou uma aceleração enorme no mercado de e-commerce. O Pix pode ser mais um marco nesse sentido?

Ralf Germer – Sim. No médio e longo prazo, o Pix será um marco importante no e-commerce porque ajuda a incluir mais pessoas no ambiente digital e facilita os pagamentos. O fato mais relevante é não ser mais necessário ter conta bancária para fazer uma compra, já que será possível utilizar uma carteira digital. Além disso, realizar um pagamento na loja virtual com o Pix será extremamente simples e intuitivo: basta escanear um código QR com o seu smartphone ou, no caso das compras mobile, escolher um aplicativo compatível com o Pix para pagar.

DC – Quais lacunas deixadas pelos boletos, crédito, débito e carteiras digitais o Pix consegue atender?

RF – A confirmação instantânea do pagamento é a principal lacuna que o Pix atende em relação ao boleto. E o efeito dessa confirmação acelerada é uma melhor experiência de pagamento no e-commerce, já que o produto é liberado para entrega rapidamente, acelerando o processo de envio. Já o Pix e o cartão de crédito vão coexistir, mas, em alguns segmentos, o Pix vai concorrer em razão do custo e facilidade de pagamento, especialmente no ambiente mobile. Por outro lado, o cartão de crédito ainda possui vantagens muito relevantes, como a possibilidade de adiar o pagamento da compra para a data de vencimento da fatura, o parcelamento, e a compatibilidade com soluções como Samsung Pay e Apple Pay, que trazem mais comodidade para o usuário.

O cartão de débito será um meio de pagamento muito afetado, tanto nas compras físicas quanto on-line. No caso das compras físicas, o Pix concorre com o cartão de débito porque o custo para o lojista é mais baixo – além de também não exigir necessariamente o uso da maquininha de cartão.

No e-commerce, é a experiência de pagamento que faz toda a diferença: hoje, o cartão de débito não é amplamente utilizado no e-commerce, pois ao optar por essa forma de pagamento, o usuário é redirecionado para a página do banco, e isso afeta a experiência e por consequência, as conversões. O Pix permitirá uma experiência mais fluída, sem fricções.

Já para as carteiras digitais, o Pix é uma oportunidade. Como as fintechs também poderão oferecer esse meio de pagamento, essas instituições financeiras têm em mãos mais um recurso para incentivar o uso das suas carteiras digitais.

DC – O senhor concorda que a instantaneidade é a principal revolução do Pix? Quais problemas esse imediatismo também pode trazer aos lojistas?

RF – A instantaneidade é uma das principais revoluções, aliada à confirmação do pagamento em menos de dez segundos, o custo baixo e a simplicidade de uso. Além disso, o fato de se tratar de um arranjo de pagamento aberto também é uma grande revolução, visto que todos os bancos e praticamente todas as carteiras digitais estarão conectados. Gosto de dizer que o Pix é mais que um meio de pagamento, é uma plataforma. As possibilidades são tantas, que sequer podemos imaginar até agora. O problema desse imediatismo para os bancos, carteiras virtuais e lojistas está nas fraudes. Como o pagamento é instantâneo, a detecção da fraude precisa ser igualmente ágil. A boa notícia é que empresas especialistas em antifraude já trabalham com uma tecnologia muito sofisticada, visando atender essas questões.

DC – A proximidade do lançamento do Pix com a Black Friday pode, de fato, gerar impactos nos resultados da data? 

RF – No comércio físico, pode ser que o Pix esteja preparado para atender a demanda da Black Friday e traga um impacto positivo, já que incentiva compras por impulso. Mas no e-commerce, o novo meio de pagamento talvez seja recente demais para ser implementado para a mais importante data do varejo – que este ano, está mais digital do que nunca. Essa é uma época em que o lojista precisa ter cuidado redobrado para atender a elevada demanda e por isso é fundamental que todas as funcionalidades no seu site – e especialmente no checkout – estejam amplamente testados e 100% operacionais.

DC – Passará a ser vantajoso para o lojista excluir a opção de boleto, que muitas vezes acaba não sendo pago?

RF – Não. O boleto bancário continua sendo um meio de pagamento muito presente na vida do brasileiro e uma das melhores alternativas para aqueles que recebem pagamentos em espécie – como trabalhadores informais, profissionais autônomos e até mesmo trabalhadores com carteira assinada que recebem parte ou todo o seu salário em dinheiro. Pense bem: mesmo com todos os benefícios do Pix, não é muito mais prático para quem recebe em dinheiro ir até o banco ou lotérica pagar o boleto de uma compra em vez de fazer um depósito no caixa para somente depois fazer um Pix? Além disso, o boleto bancário é um meio de pagamento muito simples e seguro também para quem tem conta em banco e pode ser pago por qualquer pessoa – mesmo quem não tem Pix. A substituição desse meio de pagamento pelo Pix pode acontecer, mas num futuro um pouco mais distante.

DC – De que forma o varejista deve se organizar para oferecer a novidade?

RF – O primeiro passo é procurar uma processadora de pagamentos que esteja preparada para oferecer essa solução. Caso o lojista já trabalhe com uma empresa que processe pagamentos, a dica é trocar uma ideia para saber quando a solução estará disponível.

FOTO: Freepik

FONTE: Diário do Comércio

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

receba as últimas notícias
no seu e-mail através da nossa newsletter

CMMR - Costa | Martins | Meira | Rinaldi © 2020 - Todos direitos reservados